divulgar sua banda na internet
Divulgar sua banda na internet, qual a melhor forma de começar?
9 de agosto de 2018

Rádio na internet, um novo jeito de fazer rádio

Rádio na Internet

Um novo jeito de fazer rádio na internet

Rádio na internet, um novo jeito de fazer rádio, esta é a proposta da Rapsódia. Neste artigo vamos contar um pouco mais sobre como surgiu a rádio e lançar as primeiras luzes acerca do que esperar para o futuro deste projeto desenvolvido pela Tellurian Produtora e parceiros. Então fique conosco e descubra a Rapsódia Rádio Web.

O que é a Rapsódia?

A Rapsódia é projeto cultural colaborativo em formato de web rádio. Consiste em um canal alternativo para promoção da cena independente do Rio Grande do Sul. Além disso, a Rapsódia buscará promover a integração cultural entre os povos e o debate de pautas importantes para a sociedade. A rádio será uma difusora online que aglutinará uma programação diversificada com o objetivo de propagar conteúdo criativo, original, moderno e antenado com o mundo.

Sem finalidade lucrativa, a Rapsódia se sustentará com recursos de sua mantenedora, com o apoio cultural de empresas e instituições, venda de produtos da marca e doações de sua base de fãs. Com efeito, todos os colaboradores realizarão um trabalho voluntário, e os recursos arrecadados serão integralmente revertidos no pagamento dos custos operacionais e melhoria da estrutura do projeto.

Prelúdio, as primeiras páginas desta história

Ninguém cria uma rádio se não for apaixonado por este universo. É o caso do idealizador da Rapsódia, Nelson Oliveira Ramão Neto, 36 anos, que passou a vida na companhia do seu rádio de pilha. Um hábito herdado de seus pais, também assíduos ouvintes do rádio a moda antiga. Embora o rádio sempre tivesse o fascinado, a vida o conduziu por caminhos diversos. Cursar jornalismo, por exemplo, nunca fez parte dos planos. Ao invés disso, cursou direito e depois migrou a carreira para o empreendedorismo cultural. Nem por isso se viu impedido de aventurar-se no meio, e após cinco anos planejando, deu o passo decisivo. Assim surgiu a Rapsódia, propondo um novo jeito de fazer rádio na internet.

Não sei quando tive a ideia de criar uma rádio na internet. Mas sei que essa possibilidade foi se tornando cristalina a cada dia. Comecei fazendo leituras sobre o tema e quando percebi havia acumulado certo conhecimento. Então me lancei a fazer uma ampla pesquisa esmiuçando cada aspecto deste universo. Ao colocar tudo no papel cheguei a programar um software para simular cenários e fazer projeções. Todos os indicadores apontavam chances mínimas de sucesso. Mesmo assim resolvi arriscar. Com certeza o emocional prevaleceu face ao pragmático.

O risco reside no fato de a esmagadora maioria das rádios online não serem financeiramente autossustentáveis. Mas há exemplos de sucesso e muitos casos foram estudados para formatar um modelo de rádio não comercial que contrariasse as estatísticas.

Um novo jeito de fazer rádio na internet

O rádio é um dos veículos mais tradicionais e o rádio na internet já existe há muitos anos. Nesse contexto, como criar um novo jeito de fazer rádio na internet? Nelsinho dá pistas de onde pretende chegar.

Em primeiro lugar o rádio na internet é multimidiático. Por esse motivo, precisa se valer de todos os recursos disponíveis para geração e apresentação de conteúdo, alinhado com as dinâmicas das redes sociais. Acima de tudo, é preciso usar e abusar da interatividade com o público, o atual protagonista da mídia. O rádio deixa de ser formador de opinião para se tornar um elo de conexão entre diferentes perspectivas. Aquela ideia de que o apresentador é investido de autoridade sobre o discurso não existe mais, pois o público possui plena capacidade de opinar sobre os mais diversos assuntos como qualquer outra pessoa.

Um rádio mais orgânico, colaborativo, como uma grande roda de conversa em que o público assume o protagonismo. A mídia tradicional está em crise justamente porque preferiu reter a autoridade do discurso consigo. Como consequência, a mídia tradicional se distanciou do público. Não tem nada a ver com falar a língua do público, mas sim deixar que o público fale por si.

O segundo ponto é que poucas são as pessoas que buscam rádios para consumir música. Claro que música continua sendo um elemento importante, mas a internet oferece diversas plataformas mais dinâmicas para atender tal necessidade. Por essa razão, as rádios que apostam na prevalência de uma programação musical tendem a passar por dificuldades. A rádio na internet encontra seu espaço na interatividade e geração de conteúdo original e criativo. A companhia do rádio continua sendo insubstituível.

Mas esse ainda não é ainda o “pulo do gato”, garante o diretor.

A “gamificação” do rádio

Gamificação nada mais é do que o uso de mecânicas de jogos por meio da proposição de desafios e recompensas para despertar a curiosidade e engajar as pessoas, motivando ações e comportamentos fora do ambiente dos jogos. Neste contexto, o rádio sempre foi “gamificado”, pois não é de hoje que o público participa de brincadeiras e promoções esperando obter recompensas. No entanto, a Rapsódia pretende levar esse conceito para um outro nível.

Não vou abrir o jogo, com o perdão do trocadilho, por motivos estratégicos e para não gerar expectativa exacerbada (risos). Mas estamos estudando novas formas de “gamificar” o rádio, formas que se valem da atual tecnologia disponível e da tecnologia que chegará ao mercado nos próximos anos. No entanto o público terá que aguardar um bom tempo antes que venhamos a implementar nossas ideias, tendo em vista que os recursos atualmente disponíveis, humanos, técnicos e financeiros, são bastante limitados. Há muito trabalho pela frente até que a Rapsódia consiga de fato mostrar a que veio. No momento estamos mais preocupados em garantir o essencial. Todavia, é importante que o público desde logo saiba que a Rapsódia assume o compromisso de inovar o segmento.

A proposta passa por inovar as formas de envolver o público, gerando novas experiências que ampliem seu grau de satisfação, visando mais interatividade na conexão entre o público e os produtos/serviços ofertados pelos anunciantes da rádio.

Uma rádio eclética, mas nem tanto

A internet possibilita que o público decida facilmente o tipo de conteúdo que deseja consumir. Como consequência, as rádios online preferem investir na ultra segmentação de público e conteúdo. Então, se o sujeito quer ouvir MPB, por exemplo, terá inúmeras opções de estações que tocam apenas o que ele deseja. É possível até mesmo criar uma rádio que toque uma única música o dia inteiro que ainda assim haverá quem a escute. A Rapsódia não se distancia deste modelo.

Antes de tudo gostaríamos de fazer uma rádio que envolvesse nossa preferência musical, o rock e seus derivados. Por dois motivos: não vamos nos aventurar em segmentos que não compreendemos, e; nada se compara ao prazer de atuar em um segmento do qual realmente gostamos.

No entanto, as pessoas são complexas e nem tudo é tão preto no branco como o rock’n roll. As vezes o sujeito precisa variar dependendo do seu estado de espírito. Embora o rock seja nosso carro-chefe, há outros gêneros que dialogam muito bem com este público.

Pesquisas permitiram compreender a dimensão e o perfil do público, com foco no público gaúcho. Felizmente gostamos muito de rock. No entanto, há outros gêneros musicais que boa parte do público roqueiro também curte. Dessa forma foi possível identificar gêneros que guardam sintonia com o público do rock que ainda não estavam sendo contempladas por uma rádio alternativa local.

Como resultado, a Rapsódia é uma rádio eclética, mas nem tanto. Afinal, quem tudo quer, nada alcança. Logicamente não vamos transitar entre os extremos. Mas boa parte do público rock também curte MPB, blues e jazz. Por esse motivo, a Rapsódia também abrirá espaço para estes gêneros que fazem parte da preferência de uma parcela substancial do público amante do rock. E bom que se diga, da nossa também!

A rádio da cena independente

A Rapsódia tem a missão de contribuir para o desenvolvimento, integração, preservação e valorização da arte e da cultura. Está é a principal razão pela qual a Rapsódia foi criada. Neste contexto, a intenção é abrir um espaço cada vez maior para que artistas independentes usem a rádio como plataforma para divulgação de seus trabalhos. E embora a música seja a forma de expressão artística mais óbvia, nada obsta que outras formas de arte também tenham seu espaço cativo nos canais Rapsódia.

Não vamos falar apenas de música. A Rapsódia é um espaço aberto a todas as formas de manifestação artística. Somos multiculturais. Queremos falar sobre teatro, dança, cinema, poesia, circo. Não há limite de pauta nesse sentido. A intenção é fornecer um espaço de diálogo sobre a arte e a cultura de forma geral.

A tendência é que a programação musical vá cedendo espaço para uma programação mais voltada a informação e ao diálogo. Não quer dizer que programação musical será excluída do cardápio, apenas que a Rapsódia irá se dedicar a proporcionar outros tipos de conteúdo não somente relacionados ao campo musical.

Algumas pessoas acham que a cena independente, por assim dizer, se restringe a música e, mais restrito ainda, ao rock. As vezes fica parecendo que não existe cena independente fora desse prisma. Nosso objetivo é mostrar que há muito mais a ser abordado na cena independente do que rock.

Um passo de cada vez

Um novo jeito de fazer rádio na internet, mas um passo de cada vez. A Rapsódia está em sua versão 1.0 beta. Noutras palavras, a fase é de testes, experimentações e adequações. Há muito trabalho para que possamos entregar o básico com a qualidade, volume e ritmo desejados. Alguns percalços serão inevitáveis, mas tudo está dentro do cálculo de risco. Segundo Nelsinho:

Desenvolvemos um planejamento estratégico com metas de curto, médio e longo prazo. A rapsódia foi pensada para os próximos dez anos. Temos plena consciência dos desafios, das nossas limitações e possibilidades. Mas fundamentalmente, sabemos muito bem onde queremos chegar.

No início teremos apenas 2 programas ao vivo e alguns programas e programetes pré-gravados. O restante da programação será marcada por playlists temáticas. Também iremos entregar conteúdo editorial com uma frequência razoável. Pouco a pouco vamos acrescentar a difusão de conteúdo audiovisual. A plástica e a programação da rádio, bem como a interatividade com o público serão implementadas gradualmente. Quem começar a curtir a Rapsódia desde logo perceberá a evolução do projeto no dia a dia.

Então, está esperando o quê para apertar o play na boa música?

Clique AQUI e acesse o site, ou baixe o GreenApp para Android na Google Play!

Via Assessoria de imprensa – Tellurian Produtora.

Tellurian Produtora
Tellurian Produtora
Produtora cultural especializada em eventos, audiovisual, fotografia e obras fonográficas, captação de recursos, curadoria artística, assessoria de imprensa, marketing, gestão de carreira musical e de ativos intangíveis, venda de shows.

Deixe uma resposta